terça-feira, 17 de novembro de 2009

C avalos marinhos de outras eras cavalgando nos nossos rios.
É la mesmo onde continua a minha memória, onde os rios fazem a curva e desaguam no meu peito espetado.
De Cactus.
Lembrança da hora em que tremi estranho e úmido e era meia noite quando você disse

_ O tempo da infância ja passou, meu amor, agora começamos a envelhecer.

E com um beijo dourado na parte do meu corpo que é mais tua:
Erótico e aquático.


Decanso.

6 comentários:

  1. é verdade o tempo da infância já passou, mas podemos continuar com rosto de pêssego e coração sem malícia

    ResponderExcluir
  2. Texto interessante
    to te seguindo aí cara...flw!

    ResponderExcluir
  3. Lendo seu texto comecei a imaginar tal cena. Já me disseram que envelhecer é uma conquista... mas eu só acho que seria um fim de tempos para se viver só das lembranças que machucam o peito.

    Abraço do Seo Zé

    ResponderExcluir